Menu

Cliqu       Rádio Cidade Caraá
            Rádio Cidade Caraá  

“Fraternidade e superação da violência” foi tema de estudo sobre a Campanha da Fraternidade

10 JAN 2018
10 de Janeiro de 2018
A Diocese de Osório promoveu estudo e aprofundamento do tema da Campanha da Fraternidade (CF) de 2018, na última terça-feira, 9 de janeiro, na Sala dos Jovens, anexo ao salão paroquial da Catedral de Osório.

Para 2018 a CF terá como tema “Fraternidade e superação da violência” e lema: “Vós sois todos irmãos” (Mt. 23,8). No texto-base, documento que apresenta o tema a partir da metodologia conhecida como “Ver, Julgar e Agir”, é possível conhecer a situação da violência no país, por meio de dados estatísticos, análise embasada nos valores do evangelho e sugestões de como atuar em prol da educação para a cultura da paz.

O encontro contou com a participação de muitas pessoas vindas de várias paróquias da Diocese, especialmente, lideranças das pastorais e movimentos que atuarão na reflexão do tema e na promoção de iniciativas nas suas comunidades paroquiais.

A formação foi mediada pelo Pe. Anésio Ferla, da Congregação dos Pobres Servos da Divina Providência, pároco da comunidade da Restinga, em Porto Alegre, e estudioso dos temas das Campanhas da Fraternidade promovidas pela Igreja Católica em todo o Brasil, desde 1964. Segundo Pe. Ferla, para a Igreja a CF tem o objetivo de despertar a solidariedade dos fiéis e da sociedade em relação a um problema concreto que envolve a sociedade brasileira, buscando caminhos de solução, especialmente utilizando o período da Quaresma como incentivo para uma transformação de vida.

 

Objetivo da CF 2018

Pe. Anésio Ferla concluiu recentemente estudo sobre os temas das Campanhas da Fraternidade realizadas desde 1964

Pe. Anésio Ferla concluiu recentemente um estudo sobre os temas das Campanhas da Fraternidade, desde a sua primeira edição em 1964.

Segundo Pe. Ferla, a Igreja quer com o tema da Campanha de 2018, a partir da convicção de sua fé em Cristo, reforçar que a violência é um mal, que a violência é inconcebível como solução para os problemas, que a violência não é digna do homem. A violência destrói a dignidade, a vida, a liberdade dos seres humanos. E destacou que o Objetivo Geral da campanha da Fraternidade 2018 é: “Constituir a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, à luz da Palavra de Deus, como caminho de superação da violência”.

A Campanha apresenta também sete Objetivos Específicos: a) Anunciar a Boa-Nova da fraternidade e da paz, estimulando ações concretas que expressem a conversão e a reconciliação no espírito quaresmal; b) Analisar as múltiplas formas de violência, especialmente as provocadas pelo tráfico de drogas considerando suas causas e consequências na sociedade brasileira; c) Identificar o alcance da violência, nas realidades urbana e rural de nosso país, propondo caminhos de superação, a partir do diálogo, da misericórdia e da justiça, em sintonia com o Ensino Social da Igreja; d) Valorizar a família e a escola como espaços de convivência fraterna, de educação para a paz e de testemunho do amor e do perdão; e) Identificar, acompanhar e reivindicar políticas públicas para superação da desigualdade social e da violência; f) Estimular as comunidades cristãs, pastorais, associações religiosas e movimentos eclesiais ao compromisso com ações que levem à superação da violência; g) Apoiar os centros de direitos humanos, comissões de justiça e paz, conselhos paritários de direitos e organizações da sociedade civil que trabalham para a superação da violência.

 

Ver, Julgar e Agir

O Texto-Base está organizado em três capítulos principais. No “Ver” encontramos os tipos de violências sofridas no Brasil, como: Violência racial, doméstica, religiosa, no trânsito, contra jovens e mulheres, violência sexual e tráfico humano, violência e narcotráfico, violência policial, violência contra os trabalhadores rurais e contra os povos tradicionais etc.

O capítulo do “Julgar” apresenta a fundamentação religiosa para evitar a violência. O texto-base oferece uma mensagem de paz e reconciliação como forma de colaboração para a superação da violência, a partir dos valores Cristãos. Também documentos Pontifícios além do Concílio Vaticano ll são citados no texto-base.

Já no capítulo do “Agir” encontramos ações para a superação da violência. “A superação da violência nasce da relação com o outro. O primeiro lugar onde o ser humano aprende a se relacionar é na família”, afirmou Pe. Ferla.

A CF deste ano propõe a construção e a promoção de uma cultura da paz. Apresenta pistas e áreas concretas que precisam ser reexaminadas para atingir esta meta. São elas:

a) O Estatuto da Criança e do Adolescente; b) A violência doméstica e a Lei Maria da Penha; c) Os Direitos Humanos; d) A superação da violência gerada pela exploração sexual pelo tráfico humano; e) Violência e juventude; f) O racismo e a superação da violência; g) A superação da violência no campo; h) A superação da violência fruto do narcotráfico; i) O Estatuto do Desarmamento; j) A violência religiosa; k) A violência política; l) A violência no trânsito; m) A Defensoria pública.

 

Compromisso assumido

O estudo em Osório foi encerrado com a motivação do coordenador de Pastoral, Pe. Luciano Motti, desafiando os participantes a se comprometerem no desenvolvimento da Campanha da Fraternidade nas comunidades e paróquias.

Dentre as sugestões dos participantes, como espaço fecundo para desenvolver o tema, destacamos as seguintes:

1. Discutir o tema nos Grupos de Famílias, na catequese e escolas;

2. Reunir lideranças de outras instituições de representatividade política e social – membros da Segurança Pública, Conselhos Tutelares, Justiça, ONGs, Associações, etc., para discutir e buscar ações concretas em prol da superação da violência;

3. Reunir as lideranças nas paróquias para apresentar e aprofundar o tema;

4. Fórum Diocesano por área pastoral que debata o tema;

5. Fazer chegar nas paróquias/comunidades os subsídios existentes, como o DVD, cartazes, texto-base e livretos desenvolvidos para catequese e escolas;

6. Lançamento da Campanha da Fraternidade em âmbito diocesano na Rádio Maristela em rede com outras rádios do território diocesano;

7. Elaborar um cronograma nas paróquias para desenvolver diversas atividades e atingir o maior número de pessoas possíveis durante o ano, entre outras.

 

A Campanha da Fraternidade 2018 será lançada oficialmente no Brasil no dia 14 de fevereiro, início do período quaresmal.

Voltar


Rádio Católica
Rua canto do meio, 150 - Caraá, RS - Brasil
cep: 95515-000

Tenha você também a sua rádio